INARA – capítulo 4 – A Vingança

foto: do filme V de Vingança

Certo dia, Inara estava saindo da escola, quando Nélson veio em sua direção e disse:

– Posso falar com você?

– Sobre o quê? – ela perguntou.

– Eu explico, senta comigo neste banco. – disse ele.

Ela titubeou, mas resolveu escutá-lo. Ele sentou bem perto dela, o que a incomodou, e disse:

– Inara, eu quero que você seja minha namorada novamente. Sinto muito sua falta. Não suporto mais a agonia de estarmos separados.

Ela não conteve o sorriso discreto e pensou: “como esperei por este momento, eu tinha certeza que isso iria acontecer.” Era indescritível o sabor de vitória naquele instante. Finalmente, chegara a hora de pôr o plano de vingança em prática.

Fechou o semblante e respondeu:

– Você já esqueceu o que me fez? Eu não, e já tenho namorado, você sabe disso.

Ele a interrompeu e disse:

– Você termina o namoro com esse rapazinho que você só vê de vez em quando. Eu a vejo todos os dias e sofro por não estar com você. Eu errei e peço perdão. Volta para mim, Inara.

Ela finge refletir, percebe a respiração ofegante do rapaz e responde:

– Está bem, eu vou aceitar, mas com uma condição: depois que eu terminar o namoro com Emanuel e só farei isso pessoalmente. Na semana que vem, acontecerá aquela festa em Taquarituba e todos daqui estão planejando ir a esse baile, inclusive você, estou sabendo, irá com seus amigos.

– Sim, é verdade. – respondeu ele.

Inara continuou:

– À noite, durante o baile, explico a Emanuel, com calma, que quero terminar o namoro e darei uma desculpa.

Ao dizer isso, Nélson não consegue disfarçar um pequeno sorriso, achando que ela também o queria de volta.

– Combinei que ele me buscará na casa de meus tios à noite, continua Inara.

Ela pensava rápido, elaborando o plano ao mesmo tempo que falava.

– À meia noite em ponto, eu já terei explicado tudo a ele. Peço licença, despeço-me, saio da mesa e encontro você fora do clube. Se você aceitar essa condição, eu aceito ser sua namorada novamente.

Ele pensou…pensou… e não muito satisfeito disse:

– Está bem, faremos assim. 

Naquele momento, tentou beijá-la, mas Inara se afastou e disse:

– Vai ter de esperar até lá. 

Ele, contrariado, deu um soco na própria mão e falou: 

-Está bem, eu espero. 

“Ah meu querido, – pensou ela, não sabe o quanto eu também esperarei. Não vejo a hora de você sentir a mesma dor. Vai saber o que é ser traído em público.”

Despediram-se.

Era comum nas cidades vizinhas promoverem grandes bailes e os jovens comparecerem. Viajavam em lotações, ou carros particulares. Iam e voltavam no mesmo dia. Os que tinham parentes na cidade, dormiam por lá. Era o que Inara iria fazer, dormir na casa dos tios.  

Finalmente chegara o grande dia. Ela se sentia bela, segura e determinada.

Estava com saudade do moreno lindo, de olhos azuis. Ao mesmo tempo sabia o que estava por vir, aí o coração batia mais rápido. O fato de ninguém saber de seu plano, fazia com que ela se sentisse apreensiva. Não tinha com quem dialogar.

Será que vai dar certo conforme o planejado?” – pensava.

Todos que presenciaram a traição meses atrás, estariam presentes no baile e testemunhariam o pagamento na mesma moeda. 

Emanuel não poderia desconfiar de seus planos.

Na hora marcada ela ouviu a buzina do carro na frente da casa da sua tia. Era Emanuel que tinha vindo buscá-la.

Esta noite ele estava ainda mais lindo que nos outros dias. Usava uma camisa de seda da mesma cor dos olhos, calça social azul-marinho e um suéter branco jogado nas costas. O cabelo liso, um pouco mais longo, caia teimosamente sobre a testa. Ele, com a mão, jogava o cabelo para o lado. Ela gostava desse gesto charmoso.

Abraçaram-se longamente, beijaram-se e entraram no carro em direção ao clube.

Lá chegando, de mãos dadas, dirigiram-se para a mesa que ele havia reservado só para os dois. Era bem perto do palco e ela percebeu que Nélson e os amigos estavam do lado oposto, bem longe deles.

Os olhares curiosos eram dirigidos a ela e a Emanuel. Os amigos de Nélson já deveriam saber do combinado entre os dois e também esperavam ansiosos pelo desfecho da noite.

O casal sentou-se e, de mãos dadas, conversavam animadamente.

Do outro lado do salão, ela percebia o olhar constante de Nélson em sua direção.

Uma música linda e romântica começou a tocar. Emanuel convidou-a para dançar. Ele a levou para o meio do salão. Pouco a pouco, a pista de dança ficou lotada de casais e ela notou que Nélson não podia enxergá-los mais. Sentiu-se aliviada, mas de repente ela o vê. Ele havia subido numa cadeira e se destacava acima dos casais dançando. Agora enxergava Inara.

Ela riu por dentro e pensou: “que ridículo, quanta ansiedade, eu disse que esperasse até meia noite.

Meia noite chegou e quando a orquestra fazia uma pausa, ela voltava à mesa sempre de mãos dadas com Emanuel. E assim foi até às quatro horas da manhã, quando a orquestra tocou a última música. 

Ela, há muito tempo, tinha deixado de olhar para a mesa de Nélson. Já não se importava se ele estava em pé na cadeira, ou pendurado no lustre. A vingança finalmente aconteceu e do jeito que ela queria. Tudo deu certo.

Estava feliz, principalmente por estar na companhia de um homem bonito, inteligente, culto e educado. Era um perfeito cavalheiro.

Se não fosse a traiçāo, eu não teria conhecido Emanuel. Ainda bem.” – pensou.

Nélson agora era passado, tinha virado essa página.

De volta à vida normal, as amigas não se conformavam e perguntavam:

– Como você elaborou esse plano e o colocou em prática sem contar a nenhuma de nós?

Ela mesma não sabia a resposta. Por vezes não acreditava no que havia arquitetado. Parecia outra pessoa, outra personalidade. Ela não se sentia assim, tão fria e calculista. “Será que tenho dupla personalidade?” – se perguntava.

As visitas de Emanuel e as cartas continuaram, mas ela não as respondia tão rapidamente quanto antes. As desculpas eram sempre as mesmas: muitas provas.

O sentimento de culpa tomou conta de Inara. Ela sentia que não conseguia mais ser natural com Emanuel. Quando estavam juntos, ela não tinha coragem de olhar diretamente naqueles lindos olhos. Fugia do seu olhar.

Sentiu algumas vezes vontade de contar a verdade e pedir perdão, mas tinha medo de machucá-lo. Ela o tinha usado e ele não a perdoaria. Se fosse o contrário, ela também não iria perdoá-lo.

Para terminar com esta aflição, ela decidiu que iria pôr um ponto final no namoro e assim não teria de contar a verdade. Mas ia fazer isso pouco a pouco, para que naturalmente a relação esfriasse.

O tempo foi passando. Emanuel percebeu o quanto ela havia mudado, sem entender o porquê.

Um dia, ela adquiriu coragem e colocou no correio a última carta. Era de despedida.

Não obteve resposta e também não soube mais de Emanuel.

O que ela não sabia é que pagaria um preço alto por sua vingança.

Sentia saudade de Emanuel, de seu afeto, de seus beijos, de sua atenção, de suas cartas e principalmente de seu olhar apaixonado. Seu sorriso lindo por muito tempo não saía dos pensamentos e dos sonhos de Inara.

Ela deixou de sorrir, passou um tempo cabisbaixa e triste. Desta vez, não queria mais saber de outro namorado, pelo menos enquanto tinha Emanuel em seus pensamentos.

Cedo aprendeu uma dura lição. Não se vingaria mais de ninguém.

Anos depois, os caminhos de Emanuel e Inara cruzaram-se novamente… Mas isto são cenas para um outro capítulo.

Próxima semana:
Capítulo 5
Fiori Gigliotti e Roberto Carlos

História inspirada em fatos reais, embora alguns eventos, personagens, nomes e locais, tenham sido criados para a composição literária. Qualquer semelhança com a realidade terá sido mera coincidência. YG

10 comments on “INARA – capítulo 4 – A Vingança”

  1. Pericles disse:

    Só vi agora,capítulo 4.Adorando e ansioso peloa próximos capítulos.se puder, por favor me envie os 3 primeiros…Baseado em fatos reais é?….Até sei quem é a protagonista real.? Beijo ?

    1. Yara disse:

      kkkk ai Péricles só sei que me divirto. Bem, você tem os 4 capítulos agora correto? A semana que vem tem mais.
      Tenho feito teste de qual dia fica melhor postar e decidi pelo domingo à noite, o que você acha?

  2. Mazé Marum disse:

    Estou ansiosa pelo resto…. Estou adorando essa história…

    1. Yara disse:

      Que bom Mazé, obrigada. ?

  3. Maria ines disse:

    A espera do proximo capitulo !!! Muito bom

  4. Maria ines disse:

    A espera do proximo capitulo !!! Muita espectativa

  5. Maria ines disse:

    E agora Inara??? O que vocr vai fazer!!!

    1. Yara disse:

      Vamos aguardar rsrs. Obrigada Maria Ines, fico feliz que você esteja curtindo. Uma leitora tão assídua de tantos bons autores, lendo Inara, me deixa orgulhosa.

  6. Sarita Maria Corrêa da Silva disse:

    Olá,Yara!

    Resolvi ler A Vingança,e
    estou adorando.
    Ansiosa pelo próximo capítulo.

    Um grande beijo,
    Sarita

    1. Yara disse:

      Obrigada Sarita, fico feliz que você esteja curtindo. Você viu os outros?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *